Imagem com a data do evento: 7 a 10 de Dezembro, com entrada franca

5º Curta Brasília

O 5º Curta Brasília foi realizado entre os dias 15 e 18 de dezembro de 2016, no Cine Brasília. Durante 4 dias, foram exibidos 134 obras, sendo 119 curtas-metragens entre nacionais e internacionais e 15 videoclipes. Vale ressaltar que o festival recebeu 850 inscritos para esta edição, de 24 Estados + DF. Os vencedores escolhidos pelo júri oficial e pelo voto popular, arrebataram R$ 17 mil em prêmios, além dos prêmios de instituições parceiras.

O festival contou com um público de aproximadamente 8.000 pessoas que aproveitou uma programação que foi além da sala de cinema. Dentre as mostras competitivas de curta-metragem e videoclipes já conhecidas do público, o festival ampliou o alcance internacional com a estreia da Mostra Holanda em Curtas e consolidou as mostras Espanha em Curtas (parceria com o Notodofilmfest), Prêmio Alemão de Curtas (o mais relevante para o curta na Alemanha) e À Francesa (com uma seleção de curtas do consagrado Festival d'Animation d’Annecy). Contou também com as tradicionais mostras especiais: Mostra Provocações escancarando assuntos tabus, nos quais sexualidade, política e religião foram discutidas, a mostra infantil Calanguinho e a Surdocine, com produções que abordaram a cultura surda, contando com filmes em Libras e diretores surdos compartilhando suas vivências na grande tela. Vale frisar que que nesta edição as mostras competitivas estiveram equipadas com closed caption e contaram com interpretes de libras em todas as sessões, beneficiando a comunidade surda que pode acompanhar a programação.

Um dos destaques da edição 2016 foi o Espaço CVRTA, um ambiente exclusivo para a principal inovação no mundo do audiovisual e do entretenimento, o cinema imersivo ou de realidade virtual. O Curta Brasília foi o primeiro festival de cinema no Brasil com um espaço dedicado a curtas em 360°, trazendo profissionais da área – brasileiros e holandeses – e seus filmes para participar do evento. Para que o público pudesse conhecer ainda mais sobre essa nova tecnologia e o mercado do cinema imersivo, o festival realizou debates diários com realizadores e empreendedores brasileiros e holandeses, abertos ao público. O público também pode aproveitar a oficina gratuita Cinema de Bolso, sobre produção de filmes com celulares e tablets.

A presença feminina foi marcante nesta edição do festival, com mais de 15 produções, entre curtas e videoclipes, realizadas por mulheres. Além disso, a cineasta Anna Muylaert, um dos principais nomes do cinema brasileiro da atualidade, foi a homenageada da edição. O público pode conferir uma mostra especial com os curtas-metragens realizados ao longo da carreira da diretora. Vale destacar o debate Café com Ressaca com tema Cinema em Gênero, Número e Grau que levantou a discussão sobre a presença feminina no cinema com falas marcantes da própria Anna Muylaert, da atriz Maeve Jinkings, da diretora e roteirista Vera Egito, da jovem realizadora Yasmin Thayná e a idealizadora do Curta Brasília, Ana Arruda.

Além do Café com Ressaca, outros debates levaram para público discussões sobre o mercado da cinematografia e da música. Destaques para Uma cerveja antes do almoço, Música na tela: videoclipes em debate, Conexões Brasil-Europa que trouxeram profissionais do cinema nacional e internacional para debater assuntos da cadeia produtiva do audiovisual.

E pra encerrar com chave de ouro a programação do Cine Brasília, o festival que já abraça a área musical com a mostra competitiva de videoclipes Decibéis e com o debate Música na Tela, trouxe também convidados especiais da área, estiveram presentes os produtores Paulo André (Abril Pro Rock) e Fernando Rosa (Senhor F), levou para a sala do Cine Brasília uma experiência cenestésica de audiovisual com o show da banda brasiliense Muntchako que instigou o público numa sessão final onde a música foi a grande protagonista. O Show contou com os trabalhos do VJ Márcio Mota e toda ambientação e iluminação no cinema assinada por Moisez Vasconcellos.

O Curta Brasília ampliou seu alcance com dois projetos itinerantes: O Cinesolar, parceiro do festival pelo terceiro ano consecutivo, que traz um cinema sobre rodas abastecido pela energia do Sol e contou com sessões no Riacho Fundo/DF e Taguantinga/DF e com o Gira Curta que forneceu uma programação com 25 curtas (distribuídos em oito programas) para mais de 30 sessões em cineclubes e centros culturais do DF em Ceilândia, Samambaia, Taguatinga, Núcleo Bandeirante e Brasília, totalizando público mais de 500 pessoas.


PREMIADOS

JÚRI OFICIAL :: Curtas-metragens
– Melhor Filme: Pele de Pássaro – Dir. Clara Peltier
– Melhor DireçãoDireção: Stanley – Dir. Paulo Roberto
– Melhor Roteiro: Xavier – Dir. Ricky Mastro
– Melhor Fotografia: Lightrapping – Dir. Márcio Miranda Perez
– Melhor Atuação: Maria Alice Vergueiro, Andrade Junior e João Antonio, por Rosinha, Dir. Gui Campos
– Melhor Som: Bartleby – Dir.: Rafael Lobo
– Melhor Montagem: Regeneração – Dir. Humberto Carrão
– Prêmio Especial do Júri: Balada para os Mortos – Dir. Lucas Sá
– Menção Honrosa Pesquisa Musical: KBELA, Dir. Yasmin Thayná

JÚRI POPULAR :: Curtas-metragens

– Melhor Filme: KBELA, dir. Yasmin Thayná
– Melhor Filme Mostra Calanguinho: Último Natal – dir. Fáuston da Silva

 

JÚRI OFICIAL :: Videoclipes

– Melhor videoclipe: Lá em casa, de Tonico Reis, dir. Irmãos Guerra

JÚRI POPULAR :: Videoclipes

Melhor videoclipe: Mamãe, Mamãe, de Dillo, dir. André Gonzalez e André Miranda

 

PRÊMIO ABCV – Athos Bulcão
Melhor filme: Em defesa da Família – dir. Daniella Cronemberger

 

PRÊMIO CINEMEMÓRIA
Melhor documentário: A culpa é da foto – dir. Joédson Alvez, Eraldo Peres e Andre Dusek

 

PRÊMIO CINE FRANÇA BRASIL
Melhor filme: O estacionamento – Dir.: William Biagioli

 

PRÊMIO UCDF
Melhor filme: Troféu UCDF para “Rosinha” e menção honrosa para “Demônia – melodrama em 3 atos”.

 

PRÊMIO CULT
Melhor filme: Rosinha – Dir.: Gui Campos

 

PRÊMIO BRAZUCAH
Caminho dos gigantes (SP) 2016 – Dir.: Alois Di Leo.