MOSTRA TESOURINHA (77 min)

SÁBADO | 14 DEZ | 17H

Composta exclusivamente por produções do Distrito Federal, a programação é um recorte plural da atual produção curta-metragista local. Na capital do país convergem influências de todas as regiões, possibilitando o surgimento de uma ampla cena audiovisual com múltiplas subjetividades e identidades. Antes da sessão, haverá um debate com organizações e coletivos da cena audiovisual do DF.

Filhas de Lavadeiras

Filhas de Lavadeiras

Documentário, 22'01'', DF, 2019 [L]

Direção: Edileuza Penha de Souza
Histórias de Mulheres Negras que, graças ao árduo trabalho de suas mães, puderam estudar e refazer os caminhos trilhados por suas antecessoras. Memórias, alegrias, tristezas, dores, poesias como possibilidades de um novo destino, transformando o duro trabalho das lavadeiras em espetáculo de vida e plenitude.

Claudia e o Crocodilo

Claudia e o Crocodilo

Animação, 10', DF, 2019 [L]

Direção: Raquel Piantino
Claudia vive em um pequeno condomínio com o crocodilo Max, seu animal de estimação. No dia a dia, ela divide seu tempo entre o trabalho e o lar. Max, quando está sozinho em casa, pode encontrar passagens para sair e interagir com outros seres do condomínio.

A Praga do Cinema Brasileiro

A Praga do Cinema Brasileiro

Ficção, 19'58'', DF, 2018 [L]

Direção: William Alves e Zefel Coff
Zé do Caixão volta ao passado para evitar o Terror Político instituído no Brasil atual. Ele abre o “portal das películas”, libertando antigos filmes que traziam à luz palavras e mensagens dos “profetas/cineastas” que tudo sabiam sobre os ataques contra a soberania do país pelo imperialismo.

Ferida Viva

Ferida Viva

Ficção, 5'16'', DF, 2018 [L]

Direção: Laila Varaschin
Documentário ficcional sobre Brasília em um futuro onde a cidade já não existe mais.

Luis Humberto: O Olhar Possível

Luis Humberto: O Olhar Possível

Documentário, 20', DF, 2019 [L]

Direção: Mariana Costa e Rafael Lobo
Um olhar delicado sobre o trabalho do fotógrafo Luis Humberto e sua relação com a poética do banal.